sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

A Depressão É Uma Mentirosa



Eu queria desaparecer. Eu não queria enfrentar nenhum problema na vida novamente. Era tudo demais. A vida estava pesada demais. Eu sentia que não fui feita para ser capaz de lidar com o fato de, simplesmente, existir. Eu já fui uma pessoa forte antes, mas não sou mais. Agora é diferente.
A esperança de que as coisas vão melhorar é uma mentira. Ser positiva e otimista parece ridículo.
Minha única verdade era que morrer seria o único alívio. Seria a única solução. Na época, essa era a minha verdade - mas agora sei que é a maior mentira em que eu poderia acreditar.
Depressão, é claro, é um sentimento de tristeza, mas a pior parte para mim era a sensação de torpor. Se a vida era boa ou ruim, eu estava entorpecida demais para sentir. Eu estava entorpecida com minhas próprias emoções. Pior ainda, eu estava entorpecida com as emoções daqueles que me cercavam. Toda vez que eu conseguia reunir coragem para falar sobre como estava me sentindo e meu marido me respondia de uma forma que era sempre o oposto completo do que eu tinha acabado de dizer, eu era incapaz de acreditar nele. Ele me dizia que preferiria ter-me em sua vida - não importa o quão despedaçada eu estivesse - do que me perder. Mas como? Como ele poderia se sentir assim? Eu era um "fardo". Sempre fui e sempre seria.
Todo mundo estaria melhor sem mim. Eu sentia que não tinha mais nada para oferecer ou dar a ninguém. Como eu poderia servir a qualquer propósito? Eu não tinha sentimentos além de negativos. Eu não tinha energia para fazer nada, especialmente qualquer coisa útil. Eu não tinha motivação para amar os outros.
O problema com a depressão é que ela é uma mentirosa. Ele torce seus pensamentos. Equivocadamente, o ilógico torna-se verdade, e isso é muito perigoso.
Quando tentei acabar com a minha vida, nunca pensei em como isso afetaria meu marido, minha família ou meus amigos. Não é que eu estivesse sendo egoísta. Foi exatamente o oposto. Eu não queria machucá-los mais com minha existência. Eu sabia que eles ficariam tristes, mas eles iriam superar isso, certo? Eles estariam OK sabendo que eu estaria bem. 
Se eu não estivesse gravemente deprimida, eu poderia ter sido capaz de sentir o que eles sentiriam com a minha falta e ser capaz de entender o quanto seria devastador para eles, perder-me. Só agora posso imaginar e entender a culpa que sentiriam. Nas profundezas da depressão em que estava, eu achei a empatia quase impossível. O amor parecia ser falso.
Entenda isso, se você está no fundo do poço da depressão, se você é suicida, se alguma das situações te tocou e falou com você - a depressão está mentindo. O amor é verdadeiro. Você não é um "fardo". Você é necessário e desejado. Mesmo agora, a depressão está provavelmente dizendo-lhe que não é verdade. Não ouça. O socorro está chegando, e está na vida, em permanecer vivo. Ficar vivo! Eu não estou mentindo para você. A recuperação é lenta, mas você pode tornar-se senhor de sua mente outra vez. Você sobreviverá. Você vai encontrar-se novamente.


Texto livremente traduzido e adaptado.


Se você ou alguém que você conhece está lutando com as questões abordadas neste texto, ligue para o número do CVV: 141 e, por favor, procure a ajuda profissional de um psicólogo ou psiquiatra.




5 comentários:

  1. É como se eu tivesse escrito... sempre fui um fardo. Meu grande arrependimento é ter chegado tão longe. Hoje com 41 anos e um filho de 13, como poderei partir. Minha vida é um fardo tão grande que nem mesmo posso escolher meu futuro: se eu ficar incomodo, se eu partir outros sofrerão. Remédios, remédios. Trabalhar para comprar remédios e pagar alguém para te escutar e fingir que alguém me acha importante. Meu psiquiatra disse "se você se sente tão a vontade com a morte, vá em frente". Como? E meu filho? A grande verdade é que nada é tão simples assim.

    ResponderExcluir
  2. Marilda, sei como vc se sente. Tenho feito tratamento e já cheguei lá no fundo do poço. Podemos nos livrar da nossa dor, mas iremos causar dor para quem amamos.
    Continuo com a mesma psiquiatra mas troquei de terapeuta pq o primeiro nao estava dando mto resultado. Agora estou indo bem, tenho progredido mas tb tenho algumas oscilaçoes, que fazem parte da cura da nossa alma.
    Não sou especialista mas troque de psiquiatra, essa resposta não é ideal pra quem está passando por esse tipo de situaçao.
    Procure seus amigos e até seu filho e peça colo, carinho e apoio. As vezes quem tá perto não sabe como lidar com a situaçao e qdo explicamos fica mais facil de nos entender.
    Espero que vc encontre alento pra sua alma. Um beijo e mta luz no seu caminho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Elen, por suas palavras de carinho e alento. Nem sempre, mesmo nós que somos especialistas, conseguimos ter o seu cuidado ao responder sobre problemas tão graves.

      Excluir
  3. Essas são palavras que eu tento explicar as pessoa q estao ao meu redor, mas ninguém me ouve.

    ResponderExcluir
  4. Eu me sinto assim, entorpecida. O pensamento me diz que sou um erro, cheguei num ponto que me sinto tão cansada que desisti. Eu trabalho num lugar importante, mas me sinto incapaz. Sou atleta amadora, mas nao tenho mais forças. as vezes eu me corto nos braços, pra deslocar a dor e evitar algo mais grave. mas sinceramente, eu nao vejo mais solução nem saída.

    ResponderExcluir