quinta-feira, 23 de junho de 2016

Como Parar de Pensar em Suicídio


Quando o desespero, isolamento e dor parecem muito grandes para suportar, o suicídio pode parecer a única forma de se libertar. Pode ser difícil de ver, mas há opções para lhe trazer alívio e mantê-lo vivo para voltar a sentir alegria, amor e liberdade novamente. Ao manter-se seguro e criando um plano para enfrentar e explorar as razões por que isso está acontecendo, você pode tomar medidas para se sentir melhor. Continue lendo este artigo para parar de pensar em suicídio.

Método 1: Mantenha-se em Segurança
1.  Dê tempo para si mesmo. Faça uma promessa a si mesmo que você não irá cometer suicídio por pelo menos 48 horas. Por mais difícil que possa parecer, adie seus planos por 2 dias para poder descansar e pensar sobre as coisas. Nesse momento o suicídio pode parecer a única opção, mas as circunstâncias podem mudar rapidamente. Você pode encontrar mais alguma coisa que possa lhe trazer alívio durante esses 2 dias.
·         Tente ver suas emoções e ações de formas separadas. A dor pode ser tão grande que distorce seus pensamentos e comportamento. Mas pensar em suicídio não é a mesma coisa que realmente fazê-lo. Você ainda tem o poder de fazer uma escolha contra o suicídio.
·         Talvez não consiga ver as coisas de outra forma, mas você pode prever o que acontecerá amanhã. Deve ter outras opções que você não consegue ver claramente por causa da dor que está sentindo. Amanhã sua mente poderá estar um pouco mais leve e você talvez possa ser capaz de encontrar uma boa razão para viver.
·         Pensamentos suicidas são muitas vezes causados por situações que podem mudar. Não importa o quão preso possa estar se sentindo, ou o quão impossível às coisas pareçam, as circunstâncias não serão assim para sempre. O suicídio é uma solução permanente para um problema temporário e nas próximas 48 horas a melhor opção pode aparecer.
2. Deixe sua casa segura. Não faça com que seja fácil mudar de ideia. Guarde qualquer coisa que você possa usar para prejudicar a si mesmo, como pílulas, lâminas de barbear, facas e armas de fogo. Dê essas coisas para alguém guardar, jogue-as fora ou coloque-as em um lugar que não seja de fácil acesso.
·         Também deixe de lado o álcool e as drogas. Os produtos químicos das drogas e do álcool afetam o cérebro, fazendo com que seja mais difícil pensar claramente. Não os use, para permitir que sua mente tenha tempo para descansar e você pensar com mais clareza.
·         Se você não acha que está seguro em sua própria casa, vá para algum lugar onde se sinta seguro. Fique na casa de um amigo, vá para a casa de seus pais, a um centro comunitário ou outro lugar público onde possa ficar.
3. Não tente lidar com isso sozinho. Uma das melhores maneiras de aliviar um pouco do estresse e da dor que se acumulou dentro de você é se abrindo com alguém. Chame alguém de confiança e fale durante o tempo que precisar. Se quiser, peça a essa pessoa para vir ficar com você até que esteja preparado para ficar sozinho novamente. Fale o quanto quiser sobre como está se sentindo, não tente guardar nada. Você também pode procurar por sites especializados que podem lhe ajudar. Aqui estão algumas opções:
·         Ligue para o telefone do CVV: 141
·         Considere procurar por um psicólogo ou um psiquiatra
4. Obtenha ajuda de emergência caso queira ir até o fim. Se conversar e dar um tempo a si mesmo não funcionar e você ainda estiver pensando em cometer suicídio, consiga ajuda de emergência imediatamente. Peça a alguém para levá-lo ao hospital ou vá sozinho. Você receberá tratamento e ficará em um lugar seguro até não poder prejudicar a si mesmo.
    • Se já tiver tomado algo, ligue ou peça para alguém ligar para o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência - SAMU (pronto-socorro) - 192 imediatamente ou para o Corpo de Bombeiros - 193. Peça para vir ajudá-lo. Não se sinta envergonhado de fazer isso, pois sua vida está em perigo e você precisa de ajuda.
5. Perceba que as pessoas passam por isso. Quando estiver passando por uma crise e você não conseguir parar de pensar em suicídio, lembre-se que você nem sempre se sentiu assim e não se sentirá assim para sempre. Muitas pessoas já se sentiram tão mal quanto você e viveram para contar a história. Muitas pessoas já tiveram pensamentos suicidas e encontraram maneiras de lidar com elas. Você pode conseguir isso também.

Método 2: Encontre Maneiras de Lidar Com Isso
1. Não se critique por ter pensamentos suicidas. A culpa por ter esses pensamentos não é sua. Não há nada para se envergonhar ou se sentir culpado, e isso não faz de você uma pessoa ruim ou fraca. Você provavelmente está carregando um fardo muito maior do que a maioria das pessoas está carregando e, para que possa se sentir melhor, você precisa ser gentil consigo mesmo. Se culpar e sentir vergonha são sentimentos negativos que complicam ainda mais a situação fazendo com que seja muito mais difícil de encontrar uma maneira segura de se livrar deles.
·         Tente pensar em si mesmo como outra pessoa, alguém que você ama. Se alguém muito querido estivesse com pensamentos suicidas, como você o trataria? Você o trataria com bondade e preocupação. Você faria qualquer coisa para impedi-la de cometer suicídio. Mas nesse caso você é a pessoa que precisa de ajuda e merece ser tratado com o mesmo carinho e amor que daria a alguém.
·         Existem alguns mitos sobre o suicídio que podem deixar as pessoas com pensamentos suicidas se sentindo pior ainda. É um mito que o sentimento suicida é egoísta e que as pessoas que cometem suicídio fazem isso sem se preocupar com as outras pessoas. Conhecer esses mitos e saber separá-los da realidade pode ajudá-lo a ser mais gentil consigo mesmo quando estiver se sentindo assim.
2. Passe tempo com pessoas que não sejam críticas. Sua rede de apoio é muito importante quando se está lidando com pensamentos suicidas. Você precisa de pessoas que podem ouvi-lo sem julgá-lo e que não tentarão dar conselhos que possam magoar mais do que ajudar. Pessoas bem-intencionadas muitas vezes dizem coisas como 'isso não é uma boa razão para ser suicida' ou 'sua vida é boa por que você está tão triste?'. Ouvir esse tipo de coisa pode fazer você se sentir culpado por ter esses pensamentos e isso é a última coisa de que precisa. É importante ter pessoas com quem você pode contar e que entendam que ser suicida não funciona dessa maneira - não é algo que você possa simplesmente desligar.
·         Às vezes é mais difícil falar com pessoas mais chegadas do que falar com um psicólogo. Você pode não querer preocupar sua família ou talvez ache que eles não conseguirão entender pelo que está passando. Psicólogos que tenham experiência em trabalhar com pessoas suicidas podem ajudar você a encontrar ferramentas para lidar com esses pensamentos, sem julgá-lo ou adicionar mais sentimentos negativos aos já existentes.
3. Pense no que você ama. Faça uma lista de tudo que o enche sua vida de bons sentimentos ou algo que associe com bondade e amor. Anote tudo que o ajudar a se lembrar por que você queria viver antes de se sentir suicida. Escreva os nomes das pessoas que ama, seus filmes, livros e música favoritos, assim como seus lugares, alimentos e experiências mais amados.
·         Também escreva o que ama sobre si mesmo. Anote as coisas de que se sente orgulhoso, como realizações, elogios que recebeu e traços favoritos de sua personalidade.
·         Escreva as coisas que deseja fazer no futuro. Anote os planos que você fez, experiências que sempre quis ter, pessoas que deseja conhecer melhor, lugares que quer visitar.
4. Faça uma lista de boas diversões. Outra coisa que ajuda as pessoas que se sentem suicida é ter diversões que ajudem a dar à mente um descanso. Existe algo que fez no passado para se sentir melhor? Qualquer coisa que dê alívio a sua dor e ajude a remover os pensamentos de suicídio é uma boa diversão. Aqui estão algumas coisas que ajudaram outras pessoas:
·         Chamar um amigo para conversar
·         Comer sua refeição preferida
·         Passar tempo com seu animal de estimação
·         Escrever, pintar ou fazer música
·         Ir ao cinema
·         Assistir uma maratona de seu programa de TV favorito
·         Comer uma sobremesa deliciosa
·         Fazer uma viagem com os amigos
·         Fazer uma longa caminhada ou corrida
·         Passar tempo na natureza
·         Jogos videogame
·         Ser voluntário na comunidade
·         Assistir vídeos engraçados na internet
5. Escreva os nomes das pessoas que você pode chamar. É bom ter uma lista de nomes e números de telefone das pessoas que terão tempo para falar com você sempre que puderem. Escreva o nome das pessoas que ama e confia. Anote pelo menos 5 ou mais nomes, pois se alguém não puder falar, você poderá ligar para outra pessoa.
·         Inclua o nome e número de seu psicólogo e psiquiatra, caso se sinta confortável para ligar para eles.
6. Faça um plano de segurança para eliminar os pensamentos suicidas quando eles aparecerem. Este é um plano personalizado que você pode usar para parar de pensar em suicídio quando seus pensamentos forem demais para suportar. Quando se tem pensamentos suicidas, é difícil tomar decisões ou ter ideias, mas se você tiver um plano de segurança, tudo que precisará fazer é segui-lo. Complete todos os itens da lista até se sentir seguro novamente. Aqui está um exemplo de plano de segurança:
·         1. Ler a lista de coisas que ama. Lembre-se de coisas que ajudaram a acabar com os pensamentos de suicídio no passado.
·         2. Ler a lista de boas diversões. Tente fazer coisas que o fizeram se esquecer dos pensamentos suicidas antes.
·         3. Ligar para alguém da lista de pessoas que você pode chamar. Continue ligando até encontrar alguém da lista que pode conversar com você pelo tempo que precisar.
·         4. Adiar meu plano por 48 horas e deixar minha casa segura. Prometa não cometer suicídio sem antes pensar em todas as outras opções.
·         5. Pedir para alguém vir ficar comigo. Se ninguém puder vir, vá para algum lugar onde se sinta seguro.
·         6. Ir para o hospital. Dirija-se você mesmo ou peça para alguém levá-lo.
·         7. Ligar para o CVV: 141.


Método 3: Encontre a Raiz do Problema
1. Pense sobre por que isso está acontecendo. Quando estiver em um estado mental mais calmo e seguro, reflita por que isso está acontecendo com você. É algo que aconteceu antes ou é a primeira vez? Os pensamentos suicidas podem ser causados por muitas coisas diferentes e é muito importante encontrar a raiz do problema para que você possa ver a sua situação de forma objetiva, tomando o caminho certo para acabar com esses pensamentos.
·         Depressão, esquizofrenia, bipolaridade, transtorno de estresse pós-traumático e outras condições mentais muitas vezes levam a pensamentos suicidas. Estas condições geralmente podem ser tratadas com terapia e medicação. Se você tiver uma condição mental que está fazendo com que se sinta suicida, consulte um profissional e comece a explorar as opções de tratamento.
·         Pessoas que tiveram certas experiências muito dolorosas na vida são mais propensas a terem sentimentos suicidas. Se você já sofreu assédio moral, abuso sexual, pobreza, desemprego, doença grave, ou uma perda afetiva, é importante obter o apoio de pessoas que já passaram por isso e entendem pelo que está passando. Procure organizações e grupos de apoio que podem fornecer recursos para ajudar a mudar a sua situação.
·         Certas circunstâncias podem fazer com que você se sinta impotente, isolado ou desgastado mental e fisicamente - sentimentos que muitas vezes levam a pensamentos suicidas. Você pode se sentir como se já cometeu muitos erros ou que pessoas demais já o magoaram e que você não quer mais viver. Mas, apesar de ser impossível ver isso agora, essas circunstâncias são temporárias. As coisas vão mudar e a vida vai ficar melhor novamente.
·         Se não souber por que está se sentindo suicida, é importante procurar um profissional para descobrir o que está acontecendo. Você será mais capaz de lidar com esses pensamentos se eles voltarem.
2. Identifique o que os desencadeiam. Às vezes, pensamentos suicidas aparecem por causa de certas pessoas, lugares ou experiências. Nem sempre é fácil descobri-lo. Reflita e veja se reconhece padrões que podem dar pistas do motivo desses pensamentos. Aqui estão alguns exemplos de coisas que podem desencadeá-las:
·         Drogas e álcool. Os produtos químicos nas drogas e álcool podem fazer pensamentos e sentimentos depressivos virarem suicidas.
·         Pessoas abusivas. Passar algum tempo em volta de uma pessoa que seja fisicamente ou emocionalmente abusivo pode provocar pensamentos suicidas.
·         Livros, filmes ou música tristes. Para algumas pessoas, assistir filmes, ler livros e ouvir músicas tristes podem ser extremamente negativos.
3. Saiba como lidar se você ouvir vozes. Algumas pessoas ouvem vozes que dizem como elas devem se comportar de uma determinada maneira. Essa situação é considerada um sintoma de doença mental, sendo tratada com medicamentos, mas isso não funciona para todo mundo. Se você ouvir vozes dizendo-lhe para se machucar, é importante procurar ajuda imediata. Depois que essas vozes se acalmarem um pouco, explore formas de compreendê-las melhor para saber como lidar com elas no futuro.
4. Consiga a ajuda que precisa. Não importa por que você está tendo pensamentos suicidas, tomar medidas para obter algum tipo de ajuda é a única maneira de fazê-los parar. Ter um plano de ação para lidar com o problema e criar um trabalho de longo prazo para entender seus sentimentos e alterar essa situação pode ajudá-lo a se sentir melhor novamente. Por isso, procure a ajuda profissional de um psicólogo e um psiquiatra.
·        Descobrir um plano de tratamento nem sempre é fácil. Você precisará encontrar um psicólogo que tenha uma abordagem que funcione para você. Também é possível optar por uma medicação ou uma combinação de medicamentos e psicoterapia para resolver o problema. Não tem problema caso não obtenha resultados imediatos, o importante é continuar tentando. Continue usando seu plano de segurança toda vez que precisar e trabalhe duro para se sentir melhor.
·         É importante saber que você, talvez, nunca estará totalmente seguro quanto a não ter mais pensamentos suicidas. Para algumas pessoas eles desaparecem por completo, para outros esses pensamentos vêm e vão ao longo da vida. Mas é possível aprender a lidar com eles para poder viver uma vida feliz e saudável.



Se você ou alguém que você conhece precisa de ajuda, ligue para o número do CVV: 141 e procure ajuda especializada.


Texto livremente traduzido e adaptado para a nossa realidade.



32 comentários:

  1. Tenho vontade de acabar com minha vida, não sinto mais nenhuma alegria, tdos me abandonaram, minha família não se imortal comigo, meu filho não mora comigo desde de os 3 anos de idade, já se passaram 13 anos, antes tinha esperanças q minha vida mudasse para melhor financeiramente, então, eu pegaria ele de volta, mais os anos se passaram e nada aconteceu o pai dele nunca me quis,e sempre somou do meu amor por ele, moramos juntos quando meu filho ainda tinha 3 anos, uns 7 meses,sempre fui humilhada or ele , sempre esnobe comigo,e disse que eu só conseguiria alguma coisa me prostituindo, minha família muito logo de mim, nos largamos, fiquei na casa de uma pessoa q eu tinha trabalhado antes de ter meu filho, se dizia mha amiga ,mais nunca me pagou nada, fiquei pela moradia e comida, então foi aí q por insistência de um amigo, fui me prostituir,e pensava logo depois pego meu filho, q tinha deixado com a avó paterna, estava cheia de esperanças, tinha 26 anos ,chegaram aos 32 minha irmã tinha vindo morar comigo um convite meu,fiquei muito feliz, não me sentia sozinha, passou se um tempo ela mudou comigo, não éramos mais amigas, mesmo morando na mesma casa ela me evitava,foi conhecendo outras pessoas e se afastando cada vez mais.......daí fui me sentindo muito triste sozinha denovo, ela dizia que era minha irmã e não minha amiga, isso acabava comigo, tinha uns 32 aos meu pai veio a falecer uns 3 meses depois meu avô paterno, já estava bem velhinho, antes do meu pai meu avô materno q esvaziar muito doente, depois de 1 ano q meu pai faleceu mataram meu irmão, mais tristeza, depois de um tempo minha irmã nem falava comigo arrumou um homem q dava td pra ela, e por cima ele ainda começou a implicar comigo pelo oq eu fazia, a situação estava insuportável , ela ainda montou uma loja de roupas com outra pessoa, sem falar nada comigo. ....ela sabia q eu queria tanto montar com ela para poder sair dessa vida. ....fiquei mais decepcionada e muito triste. ....fui morar em outra cidade trabalhando na mesma situação, uma colega me chamou, me instalei trabalhava um pouco mais entusiasmada,passaram se uns 4 anos ,fui ficando mais velha, nunca tive vida social, namorado nunca deu certo só tristeza,agora tenho depressão fibromialgia é vivo sozinha, meu filho não vem me visitar se acostumou com a vida boa ......vivo sozinha nem colegas tenho mais ,não vejo nenhum futuro, td muito triste, só tenho um pouco de paz qdo durmo porq não vejo nada , logo q acordo é só tristeza tenho vontade de dormir e nunca mais acordar. ....minha Vida acabou....eu não sou ninguém eu não sou nada.!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os rumos de nossa vida criam as vezes tal embaraço que é complicado mesmo desfazê-los, não é mesmo Mariana?
      Tem um líder espiritual que uma vez disse uma frase: “Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um pode começar agora e fazer um novo fim…”
      Acho que como psicólogos trabalhamos mais ou menos por aí com as pessoas que nos procuram. Não podemos modificar o nosso passado, mas podemos vê-lo com outros olhos e, sobretudo, ao desatarmos certos nós emocionais, podemos ir em busca de um futuro que nos faça feliz.
      Você diz: “Tenho vontade de acabar com minha vida, não sinto mais nenhuma alegria, todos me abandonaram, minha família não se importa comigo, meu filho não mora comigo desde de os 3 anos de idade, já se passaram 13 anos, antes tinha esperanças q minha vida mudasse para melhor financeiramente.... Vivo sozinha nem colegas tenho mais, td muito triste, só tenho um pouco de paz qdo durmo porque não vejo nada, logo q acordo é só tristeza tenho vontade de dormir e nunca mais acordar. ....minha Vida acabou....eu não sou ninguém eu não sou nada.!!”
      Esse é o seu passado, e parte do seu presente, concordo. Mas e o futuro? E o começar agora prá fazer um novo fim? Pense nisso, reflita. E procure a ajuda de um psicólogo que, sem dúvida, vai te ajudar muito na construção de um futuro mais feliz.

      Excluir
    2. Fiquei emocionada com a sua história Mariana. Gostaria de ajuda-lá. Mande-me um email hortencia_arruda@Hotmail.com

      Excluir
  2. Boa noite Mariana!
    Posso ajudá-la.
    hosanira_rios@hotmail.com

    ResponderExcluir
  3. Eu também tenho essa vontade de morrer.Ja tentei algumas vezes e não consigo.Doi muito

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. passamos por momentos na vida que nem sempre são fáceis, mas pode ser mais leve se forem compartilhados. Sinta-se a vontade para me escrever, evelyndalmina@outlook.com

      Excluir
  4. Obrigada por estas dicas. Sinto vontade de tirar a minha vida.
    Tenho 43 anos, não sou feliz no meu trabalho, não fui mãe, tenho depressão e não construí nada.
    Me sinto uma fracassada.
    Tento viver o só por hoje não.
    Mas estou na cama há 3 dias, apenas chorando, sem forças para me levantar.
    Terei meu terapeuta na quarta feira...20 anos de depressão acabaram com minha alegria em viver. LC

    ResponderExcluir
  5. CAra!
    Sinceramente nem li!
    Deu vontade de voltar a pensar em morrer!
    Seu manual é totalmente vazio e incoerente!
    Até parece que tá falando com coisas e não com seres!

    Eu tive 9 tentativas e o pouco que li do que você escreveu foi exatamente o que me levou a tentar cada vez mais. É um fracasso total esse seu apontamento, não sei de sua experiência pessoal com o fato, mas são exatamente estes fatos que mais causa o suicídio: Pensamentos que tudo vai mudar, pessoas que só nos admiram, fugir das criticas... Tudo isso é maquiagem!

    Só uma coisa me fez parar de pensar nisso:

    VIPASSANA!

    Foi daí que tudo mudou!
    Descobri que minha vida, não é minha, que tudo que me aconteceu em grande parte foi eu mesmo que causei e as respostas não estão em mim, minha vida não me pertence! Isso aqui é só uma ilusão de existência, o que eu sou e a minha essência eu nem sei direito o que é e por isso eu não tenho o direito de acabar com isso, não posso destruir o que nem é meu, se fosse assim seria então viável roubar, matar... Descobri que existe uma chama divina morando neste corpo, que sofre, que sente que é maltratada, pisada rejeitada, mas tudo isso não sou eu! O eu nem existe!
    Tudo isso são apenas lições e o que eu devo fazer é tão somente ouvir e observar, ver sem interferir e a partir do que descobrir guiar e refletir, refletir e refletir, as respostas só veem com o tamanho do seu entendimento, então não busque respostas, apenas entenda!
    E com isso eu descobri que eu sou o herói desta existência que chamo de "eu", sou apenas o cara que sem nenhum super poder, força, magia, "energia", sem nada, absolutamente nada, posso tudo, mas somente onde dentro do todo há um ser verdadeiro, e então e com isso vivo, aceito a dor, as lágrimas, a solidão, aceito o que tiver que aceitar e termino o dia feliz com cada ato de heroísmo que faço por essa pequena existência neste imenso Universo.
    Sou o que sou e nada mais!
    Só isso e já vivi 2 anos mais.

    ResponderExcluir
  6. Outra questão agora:
    Tenho um blog: http://reflexhuman.blogspot.com.br/2013/01/quando-nada-acontece.html
    Essa é minha história de suicídio, mas como pode ver fracassou!
    E deste fracasso fiz esta história, bem, seu blog tá precisando de algumas acrescentadas, um índice, algumas coisas podem ajudar!
    O meu está bem simples, mas coloquei algumas coisinhas, dá uma olhada lá! Quem sabe você pode gostar!

    ResponderExcluir
  7. Esse programa ClaraMente do Dr. César é ótimo!!!
    https://www.youtube.com/watch?v=I6bh8oxsMlE&feature=youtube_gdata_player

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. Tenho um problema irreversível e insolucionável, podem acreditar, já pesquisei e não há solução. Esse problema me deixa extremamente nervoso/irritado, e o que me deixa mais irritado ainda é pelo fato de que eu não escolhi isso. A vida é injusta: Não escolhemos família, país, região, classe social, bonito, feio... Absolutamente nada!

    Andei pensando de uns tempos para cá, e cheguei a conclusão de que minha mãe tem 90% de culpa na grande maioria dos meus problemas, muita coisa na minha vida poderia ter sido evitado se ela não engravidasse de mim, e só para piorar, nem meu pai conheço, enquanto todos os meus amigos conhecem, mesmo alguns não morando juntos, mas mesmo assim sabem quem são. Ou seja, não teve consideração e muito menos pensou em como eu me sentiria sem conhecer o próprio pai. Mas, Gabriel, sua mãe não é totalmente culpada, ela não engravidou sozinha, seu pai participou disso também. Sim, mas ela abriu as pernas porque quis, a não ser que tenha sido estuprada, que acredito não ter sido o caso, e mesmo assim, poderia ter me dado a adoção ou ter feito um aborto, assim eu teria uma família e vida muito melhor, ou não. Às vezes tenho vergonha de entregar minha identidade a alguém e a pessoa ver que o nome do meu pai não estar lá. Isso só me faz ter raiva e desprezo por ela! Coisa de gente ignorante! Mas este não é o principal motivo pelo o qual vou me suicidar. Tá certo que todo mundo tem seus problemas na vida, mas ter um problema que não se pode resolver para um que pode ser resolvido é muito diferente. Não faço questão de mais nada na vida, não tenho prazer nenhum e minha vida é uma merda, a única coisa que pelo menos me alivia um pouco é ficar em casa. Para se ter uma ideia do meu problema, é como se eu tivesse perdido uma perna e quisesse que ela voltasse ou nascesse de novo. Ou seja, impossível. Não existe solução para o meu problema... Nada e nem ninguém irá fazer eu mudar, não pedi para nascer e ter esse problema, então, o suicídio é viável e é a única saída. Quem sabe na próxima vida eu dê mais sorte, se é que exista esta possibilidade.

    Sobre a questão das pessoas próximas (familiares, amigos) que supostamente irão sofrer. Nós, suicidas, não podemos fazer nada quando não sentimos mais prazer nada vida, ninguém vai morrer por causa de nosso suicídio (pelo menos acredito que não), então, com o tempo se ameniza. Todos perdem um membro familiar e nem por isso alguém morreu, pelo menos não me lembro de ter ouvido ou lido uma história assim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Outro detalhe que esqueci e que também contribui para o meu suicídio: Gosto DEMAIS de uma moça que provavelmente nunca a terei na vida. Só para ter uma ideia, essa moça é de praticamente do outro lado do mundo em comparação ao Brasil. Isso é deprimente. Não adianta dizerem que existem outras mulheres, eu quero aquela gosto e só!

      Excluir
  10. Quanta dor em cada relato que li. Sinto muito pela tristeza e amargo da vida sentido por cada um de vcs: abandono familiar, menosprezo, desvalia corporal, amar alguém impossível, falta de sentido na vida, ..., não é a toa que cada um de vcs sentem como se sentem - a real sensação (ideia) de que não faz sentido viver - corro o risco de ser alvo da incredulidade compreensível de vcs, mas vou orar por cada um de vcs anônimos e postados os nomes. Por ter sido testemunha de vidas que foram transformadas, creio no poder da oração ao Deus que tudo pode. apoio psicológico faz diferença, e somado a fé que se entrega mesmo na angústia,..., eu creio, Deus transforma vidas!

    ResponderExcluir
  11. Apesar de eu ser ateu, obrigado por tentar ajudar! Só escrevi aqui porque na "Internet" ninguém pode saber quem sou. Ir a um psicólogo é impossível para mim, não teria coragem de falar dos meus problemas a ninguém pessoalmente, e também me daria vergonha. Acredito que nada nem ninguém irá resolver meus problemas, isso também explica o por que de eu não procurar ajuda profissional, só vejo solução na morte.

    ResponderExcluir
  12. Gabriel, esse pensamento de que se está vivenciando uma situação impossível de ser solucionada pode ser mais comum do que você imagina, as pessoas passam a achar que não existe solução para os seus problemas e então começam a pensar na morte como única solução, é como se você estivesse preso num limbo e fosse incapaz de ver a vida sobre outra ótica, ou seja, não é que não exista solução, você apenas não consegue enxergar agora pois está fixado numa única opção, e por isso é tão importante falar porque existem pessoas que podem te ajudar a enxergar aquilo que os seus problemas não te permitem ver agora. Eu compreendo sua vergonha de falar sobre o que sente, não podemos negar que existem algumas pessoas que são ignorantes acerca desse tipo de assunto e ficamos com receio de julgamentos e etc, por isso é tão importante procurar ajuda de uma profissional pois ele te entenderá mais do que você pode imaginar. Esses profissionais ajudam diariamente pessoas que, tal como você, acham que a vida não tem mais jeito. Gabriel a vida pode ser vista sobre muitas outras óticas e cores, dê uma chance pra si mesmo.

    ResponderExcluir
  13. Já tentei resolver pesquisando e procurando informações, mas não existe solução concreta. Vejo a morte como opção para resolver qualquer problema porque você deixa de existir. Por exemplo: O câncer não tem cura, mas, a eutanásia resolve e esta doença morrerá. Agora, uma pergunta que fiz a mim mesmo e serve para quem possui doenças incuráveis: O que é melhor: viver angustiado pelos problemas irreversíveis, ou morrer e acabar com o sofrimento? Prefiro a segunda opção, obviamente. Se você não existe, não possui problemas. E sou super reservado com meus segredos, há certas coisas que nem meus melhores amigos sabem e nem faço questão de falar, então para pessoas que não conheço e pessoalmente, é impossível.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pesquisar e procurar informações não é a melhor forma de se ajudar, você precisa enxergar além do que o sofrimento tem te permitido ver. A morte não é uma solução. A solução é aprender a lidar com a angústia dos seus problemas, mesmo que eles sejam muitos, acredite, você pode lidar com eles. Quando as pessoas descobrem isso a tempo entendem que viver é a melhor alternativa porque quando se deixa de existir se perde também a oportunidade de vivenciar experiências únicas e maravilhosas. Você tem muita coisa boa pra sentir, pessoas boas para conhecer e quando conseguir entender isso de verdade, certamente não terá dúvida do quanto vale a pena viver, acredite, você vai respirar fundo e saber que fez a escolha certa, vai ser grato por cada batida do seu coração e a si mesmo por ter se permitido aproveitar a oportunidade de seguir em frente. Quanto a sua vergonha de falar, eu entendo, tem certas coisas que não ficamos confortáveis em falar, muitas vezes devido o receio dos julgamentos e preconceitos alheios, é um sentimento natural, por isso acho que você deveria tentar fazer uma ligação para o 141, você não precisa se identificar, ninguém saberá quem você é ou mais simples ainda, você pode entrar em contato pelo chat ou mandar um e-mail, já fiz isso, e realmente é bem mais simples.

      Excluir
  14. Deixei as respostas numeradas para facilitar tua leitura.

    1- Claro que é, isso mostra que pelo menos tentei me ajudar do que simplesmente suicidar-se. Se uma pessoa quer comprar um produto, ela vai pesquisar um monte de coisas como qualidade, durabilidade, preço e assim vai. Foi o mesmo que fiz para tentar resolver os meus problemas.
    Quando é algo ruim, que te incomoda demais e que ainda não tem solução, que é o meu caso, não vale a pena viver, é a minha opinião. Sou completamente a favor do suicídio. Acho que se a pessoa não tem prazer na vida, não possui uma vida digna, não gosta de fazer nada e etc, para que incentivá-la a viver? É o mesmo que perguntar as mulheres se gostam de serem estupradas, provavelmente todas irão dizer que não. Portanto, você não vai incentivar que o estuprador as estuprem no argumento de que sexo é bom, pode até ser, mas forçadamente, não. É o mesmo com a vida, se a pessoa não sente prazer em viver, e se o indivíduo quiser se matar, deveriam apoiá-lo, não incentivá-lo a viver.

    2) A morte não é uma solução? Como sabe?

    3) Lidar é uma coisa, querer é outra. Eu não quero e nem acho que devo aceitar a viver com meus problemas e angústias pelo resto da minha vida, até porque não escolhemos nascer ou não, dentre diversas coisas que também não escolhemos. Sim, eu sei que deixando de viver a pessoa perde os momentos bons e maravilhosos da vida,
    mas já pensei nesta ideia e realmente não estou interessado em viver esses momentos.

    4) Na verdade sinto coisas boas momentâneas, tipo jogar no computador, assistir futebol, ler e etc, mas também não faço questão delas (coisas boas) no futuro.
    Sobre a questão de conhecer pessoas boas/novas: Sou completamente antissocial. Pode acreditar, só converso e interajo nas redes sociais, ou na "Internet", no geral,
    tipo aqui. Para mim, as pessoas são muito interesseiras e só estão com você pelo o que tu possui, não pelo o que tu é, pelo menos para mim, a grandíssima maioria são assim.
    Tenho alguns amigos e estou satisfeito com eles, mas acredite: Se eu pudesse evitar vínculos com todos, eu o faria, mas nada contra ninguém, é questão pessoal.
    Não preciso de mais. Concluindo: Não faço questão de nenhuma destas coisas que citou e de nada.

    5) Se já procurei ajuda através de pesquisas e não encontrei nenhuma concreta que realmente solucionasse meus problemas, esse pessoal que você está me direcionando não irão me ajudar, porque é impossível.

    ResponderExcluir
  15. Eu não disse que "pesquisar informações" é algo ruim, pelo contrário, valorizo demais a busca de conhecimento, apenas disse que não é a melhor forma de se ajudar, e mantenho minha opinião. Acho que você poderia tentar mais e não acho que a analogia com o caso de mulheres estupradas tenha nexo. Bem, você questionou "se a pessoa não tem prazer na vida, não possui uma vida digna, não gosta de fazer nada e etc, para que incentivá-la a viver?" e minha resposta é: Justamente para que ela aprenda a buscar o prazer, a dignidade, e a motivação para fazer coisas que a façam se sentir bem. Se você não sente nada disso, é sinal de que você precisa de ajuda para se redescobrir. Acredite, as vezes algumas mudanças no seu jeito de viver podem mudar radicalmente a sua perspectiva de vida e despertar em você o interesse por coisas e sensações que você sequer sabe que existam. Quando você menos esperar terá mudado de opinião também e mudar de pensamento não é ruim, está relacionado ao aprendizado, ao amadurecimento. Eu já estive em situações que pareciam insuportáveis, situações nas quais a morte também me pareceu a alternativa mais lógica, mas eu me dei uma chance, me permiti tentar e todas as vezes que lembro que tentei desistir, agradeço por não ter conseguido pois eu me reinventei e valeu muito à pena. Gabriel, quando estamos numa situação muito difícil e quando já não sabemos lidar com ela, é comum que percamos a capacidade de ver além do contexto sombrio que parece nos cercar naquele momento, sabe? Mas é possível sim, e eu não estaria te falando isso se realmente não acreditasse nisso, se realmente não tivesse passado por isso e sentido essa mesma sensação de vazio e vontade de desistir.
    Quanto a minha afirmação de que a morte não é solução, o que quero dizer é que se matando você não soluciona nada, você apenas desiste de tudo e em troca paga um preço muito alto que é perder a oportunidade única de viver... As coisas boas que você faz como jogar video game e ler são coisas legais, mas tem infinitas outras coisas que você ainda não fez e que se você fizesse poderiam fazer toda diferença agora. Você não sente vontade de ir atrás de mais nada, eu entendo, mas tenta. É claro que a vida nem sempre será só alegrias, como você disse, são apenas momentos, mas existem momentos que justificam uma vida inteira, que sempre que você lembrar te farão ter certeza de que vale a pena, você só precisa se permitir vivê-los e revivê-los. Você não está errado quando diz que tem muita gente interesseira e etc, tem mesmo muitas pessoas assim. Lembro que tive uma fase que cheguei a ficar extremamente intolerante porque desacreditava nas pessoas, julgava tudo e todos e fui me isolando pra não ter que lidar com elas, mas aí quando eu passei a ser menos intolerante, descobri que tem muita gente boa também, pessoas que mudaram minha vida e que se eu não tivesse saído da minha bolha de intolerância eu jamais teria as conhecido, de alguma forma ter conhecido essas pessoas diferentes e ter feito novos vínculos foi mais uma das coisas que deu sentido a minha vida. Embora eu ainda seja meio antissocial, e goste de alguns momentos com minha solidão, eu reconheço que eu julgava demais as pessoas sem me permitir conhecê-las ou simplesmente julgava muita gente a partir de um universo particular extremamente restrito. Por último, falando especificamente sobre "doenças incuráveis" ( coloco entre aspas porque a ciência evolui diariamente e o que pode não ter cura hoje, pode ter amanhã), eu não sei especificamente qual é a sua doença, mas vou usar como exemplo o HIV. Sei de várias pessoas que a possuem e vivem super bem, fazem uso da medicação e seguem em frente. Eu sei que existe estigmatização de muitas doenças, mas foda-se o que as pessoas ignorantes ou preconceituosas acham o importante é que a pessoa encontre a melhor forma de lidar com o seu problema e viva a sua vida.

    ResponderExcluir
  16. Dividi em duas partes porque deu erro.

    Sim, sei que você não disse, só disse que é a melhor forma porque fui atrás das informações antes de fazer o que quero em definitivo. E também continuo com minha mesma opinião.

    Não acha que faz nexo? Pois só fiz uma comparação com o gosto diante de uma circunstância. Agora pense na vida daquelas pessoas que vivem na miséria de países africanos e nas pessoas de países em guerra e faça uma comparação com uma mulher que foi estuprada? Tanto as pessoas miseráveis quanto a mulher estuprada se sentem mau a ponto de não querer mais viver, muitos ficam depressivos, deprimidos, sentem vergonha, possuem fobias e outras coisas ruins. É o mesmo com a vida, se a pessoa não sente mais prazer por algo, o melhor é o suicídio, e apoio totalmente. Lembro do caso de uma mulher que foi estuprada e passou a ter medo de homens, acho que desenvolveu uma fobia, mas não lembro o que era de fato.

    Sobre a questão de "buscar o prazer, a dignidade, e a motivação para fazer coisas que a façam se sentir bem." Não existe esta possibilidade para mim, e repetindo: Não faço questão. Acho que é a mesma coisa que você disser isto a um ex-jogador de futebol que tinha esta profissão como sonho e que perdeu a perna ou qualquer outro membro do corpo num acidente e ficou impossibilitado de exercer sua profissão como atleta, esse atleta nunca mais poderá realizar o teu sonho diante do que aconteceu, pior ainda se tivesse um futuro promissor com contratos para escolher.

    "Acredite, as vezes algumas mudanças no seu jeito de viver podem mudar radicalmente a sua perspectiva de vida e despertar em você o interesse por coisas e sensações que você sequer sabe que existam." Acho que você não entendeu: Não faço nenhuma questão destas coisas. Enquanto você continuar repetindo estes argumentos vou responder da mesma forma. Eu sei que existem N coisas maravilhosas na vida, mas não quero, acredite! Por exemplo, tenho 20 anos (farei 21 mês que vêm) e sou virgem. Diante do que o mundo diz, o sexo é extremamente prazeroso e esses blábláblás, e acredito no mundo, mas você acha que faço questão de praticar o sexo? Nenhuma. Não tenho nenhuma vontade de transar com ninguém, nenhum interesse. É o mesmo com as demais coisas maravilhosas da vida, não quero, mesmo sabendo que é bom. Meus únicos interesses são baseados no objetivo maior da minha vida, que é o suicídio. Terei que ir a Suíça (lá o suicídio assistido é permitido), e encontrar a instituição chamada Dignitas. Outros países também permitem. O único problema é que não sei se eles aceitam apenas pessoas com doenças incuráveis ou idosos no fim da vida. Depois de me suicidar-se, quero que meu corpo seja levado ao crematório, aqui no Brasil varia de 6 a 10 mil, contanto com outras despesas, no mínimo eu pagaria uns 20 mil, mas não sei quanto custa lá na Europa. Concluindo, após me suicidar, quero sumir com meu corpo. Nem enterro quero. Agora você vai me achar louco, mas estou bem consciente das minhas ideias. Se eu não conseguir o suicídio na Suíça e nem a cremação, infelizmente terei que ir a África, me suicidar por lá e após a minha morte, que eu fosse desmembrado e jogado aos rios para os crocodilos, porque meu objetivo é suicidar-se e sumir com o meu corpo. Ou seja, terei que me formar, ter um bom emprego com ótimo salário para poder fazer tudo o que eu disse, que realmente é o meu desejo. Claro que já pensei na possibilidade de apenas dar um tiro na própria cabeça, mas posso dar a cagada de não morrer na hora e ficar agonizando, e isto não quero.

    ResponderExcluir
  17. Bom, sobre a questão de "sensação de vazio", não sinto nada disto. Somente não quero permanecer pelo o resto da minha vida com meus problemas, porque eles não têm "cura". Não sou deprimido ou demasiadamente entristecido, o que sinto mesmo é angústia por estar vivo nas minhas circunstâncias de viva e problemas.

    Sim, mas, da mesma forma que perco a oportunidade de viver, meus problemas também morrem. E para mim, a morte é a solução para resolver qualquer problema, acho que eu já tinha tido isto, é questão de opinião e esta é a minha.

    Sim, sobre a Ciência também penso que ela muda com o tempo e pode me ajudar, imagino que é a minha única esperança, mas, não quero esperar.

    Pois é, mas essas pessoas são impossibilitadas de fazer certas coisas que sem a doença poderiam, como a transfusão de sangue e o sexo, se não me engano.

    ResponderExcluir
  18. Anônimo, seu último comentário não aparece nesta página para mim, só no e-mail. AINDA estou vivo, e ficarei por muito tempo, porque infelizmente será um processo demorado como já expliquei em um comentário acima. Não, obrigado. Já estudei a Bíblia com os testemunhas de Jeová mas não tenho mais interesse. Igualmente. Abraço!

    ResponderExcluir
  19. Oi Gabriel, sou o anônimo I rsrs que falou pela última vez no dia 25! Não acho que você seja um louco, como achou que eu acharia rs também não acho que haja nada demais em você ser virgem aos 20 anos, essa é uma escolha pessoal, e se a sua falta de vontade de fazer sexo não te incomoda, ok. Ou isso te incomoda?
    Sobre o fato das pessoas com HIV não poderem doar sangue, isso é uma limitação, mas na vida quase todos temos algumas limitações e precisamos aprender a lidar com elas, eu tenho um outro problema de saúde e que, da mesma forma, também me impossibilita de doar sangue, e mesmo querendo doar, já aceitei a ideia. Sobre ter relação sexual, sim, eles podem ter. Acho que a maior complicação do HIV é estigmatização somada a visão ultrapassada que algumas pessoas tem de que ser portador do vírus significa que a vida da pessoa acabou. Mas não é assim, esse pensamento é de gente desinformada e preconceituosa. No mais, mesmo sabendo que você já está tão fissurado por essa ideia de morte, desejo que ao longo da sua jornada você consiga ver a vida com outros olhos (mesmo que você não queira, eu desejo, rsrs) Você é tão jovem e inteligente, e mesmo sem te conhecer, te desejo o melhor!

    ResponderExcluir
  20. Bom, se foi você ou não, não sei, pois estava identificado como "Anônimo", porém, citou Deus, como você tinha feito no teu primeiro comentário, rsrs. Achei que tu me acharia louco por causa do comentário sobre os crocodilos, kkkkk! Hoje em dia é estranho uma pessoa com mais de 17 anos virgem (talvez até menos, estou sendo moderado), ainda mais sendo homem. Conheço uma pessoa que já é pai com 17 anos, e outro com 13 que namorava uma mulher de 25. Ou seja, é estranho um camarada de 20 com quase 21 anos e virjão, kkkk. Na verdade não quis ser virgem por escolha pessoal. Já tinha dito, sou extremamente tímido, não saio de casa, não crio vínculo afetivo com ninguém e também nunca tive amigas mulheres (citei "amigas mulheres" porque acho que existe possibilidade de um homem e uma mulher transar mesmo sendo amigos). Ser antissocial é sim uma escolha pessoal, virgem não. Acho que o sexo é uma necessidade do corpo, assim como necessitamos da água. O que me alivia é a masturbação, então consigo levar a vida. Sim, me incomoda, demais. Realmente, a desinformação, ignorância, alienação e etc somados tudo junto tornam as pessoas preconceituosas, por isso que assuntos que não tenho certeza digo "se não me engano", assim ninguém pode dizer que afirmei algo. Espero que eu continue com este pensamento e desejo até eu conseguir, pois sei que ao longo do tempo mudamos de ideia e opinião e temo por isso, mas por enquanto estou firme e convicto sobre o meu suicídio. Obrigado. Você também me parece inteligente, e também te desejo tudo de bom na tua vida! ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não falei sobre Deus com você (nada contra rsrs), eu sou o anônimo que começou a conversa no dia 23 e também não mandei o e-mail da testemunha de Jeová haha ( nada contra também, só pra me identificar mesmo), o restante dos comentários são meus =) Eu entendi o que você colocou sobre essa questão da virgindade e concordo que não é tão comum mesmo, conheço só alguns casos de homens que perderam a virgindade depois dos 20 e também concordo que é mais incomum entre homens, talvez até seja mais frequente do que pensamos, mas, geralmente, homem virgem tem vergonha de falar que é porque infelizmente tem gente que não respeita a intimidade do outro e caçoa disso, isso é algo tão pessoal, se a pessoa ainda não fez sexo, seja porque não quer ou porque ainda não surgiu uma oportunidade, o certo seria as pessoas respeitarem a intimidade do outro, mas isso tem muito a ver essa cultura de que "mulher virgem é virtude e homem virgem é vergonha" e infelizmente quase sempre tem alguém pra fazer um comentário idiota. Espero que você não passe muito por isso ou, se passar, que saiba lidar com isso :/ Também concordo que o sexo seja praticamente uma necessidade fisiológica. Menos mal que existe masturbação, né?! Ha, obrigada, também =) Tô com dificuldade pra adicionar comentários, tento várias vezes pra dar certo, se caso você quiser conversar depois, tenho e-mail lbnow@hotmail.com fica a vontade, um abraço, Gabriel!

      Excluir
    2. Aaaaah, vocês anônimos estão querendo me confundir, só pode, rsrs! (E eu que achei que sempre estava conversando com a mesma pessoa, rs) Mas se o segundo anônimo viu que já tinha um comentário identificado como "Anônimo", então antes de comentar deveria identificar-se com outro nome, pelo menos fictício, ou então que colocasse a data do último comentário, como foi feito agora, mas tudo bem. Espero que sirva de exemplo caso houver um terceiro anônimo.

      Entendi. Sei que você não mandou e-mail a mim, é só uma notificação que aparece lá quando comentam, assim facilita para mim responder quando alguém me menciona. Cara, nem ligo de dizer que sou virgem caso alguém pergunte, se questionarem vou dizer logo a verdade: Não saio, não converso, sou antissocial, etc. Daí logo irão entender o por quê. Mas na verdade nunca fui de dar liberdade para as pessoas brincarem comigo, tirando os amigos, claro. Sou sempre sério em qualquer lugar vá ou frequente, e principalmente com as pessoas. Por isso raramente alguém vai me zoar ou fazer brincadeiras de mim. Mas sei equilibrar minha seriedade. É claro que não vou ficar sério em uma festa de aniversário ou na formação de um parente/amigo, mas em ambientes de estudo, trabalho, na padaria, farmácia... Seriedade. Socialmente, no geral, sou sempre sério. Como sou antissocial, acredito que sendo assim você anula o contato com as pessoas, afinal, ninguém quer conversar ou contar uma piada para uma pessoa séria, né? Então, acredito que desenvolvi esta habilidade com o tempo. Sim, as pessoas, e especificamente nós, homens, temos essa vergonha de assumir ser virgem por causa deste paradigma que citaste, mas realmente não ligo, apesar de também evitar falar da minha vida aos meus próximos, mas não posso mentir se me perguntarem. Ainda bem que temos sim, mas se não engano, há países que proíbe, aí se o cara for um Gabriel Felipe e feio pra cacete para arrumar mulher, tá fodido. Ah, por mim podemos conversar por aqui mesmo, mas caso queira conversar reservadamente, é só avisar que te respondo no e-mail. Abraço!

      Excluir
  21. Anônimos, desculpa pela minha idiotice. Deveria ter clicado no "Responder" para facilitar minhas respostas diretamente direcionadas a vocês, mas na hora de comentar sempre clico na parte branca que é mais nítida e responder indevidamente os vossos comentários.

    ResponderExcluir
  22. Outro anônimo (eu o segundo).Só uma informação: um adolescente de 13 anos, mesmo sendo "safa"(esperto), mas está vivendo relação sexual com uma pessoa de 25(nesse caso uma mulher), legalmente ele esta sendo aliciado sexualmente e esta adulta seria enquadrada em crime de pedofila por aliciamento sexual de menor. Esse garoto de 13, neurologicamente falando tbm ainda não tem um cérebro maduro para estabelecer reflexões coerentes que o levem a escolhas e decisões inteligentes.Um outro de 17 anos ser pai... espero que ele saiba ser pai de fato e não apenas um genitor(o que gera). Pq para ser pai de fato, ele terá que assumir novas responsabilidades, as quais o levarão a ter que abrir mão de vivências das quais ele deve curtir muito, RARICÍSSIMOS os que assumem ser PAI de fato nos tempos atuais. Conclusão: a vida sexual, é pra ser vivida como uma bênção que gera prazer genuíno, senso de ser amado e amar. Nunca deveria pra ser realização de satisfação egoística e irresponsável, pois vidas são colocadas em dramas que podem deixar marcas profundas(cicatrizes) das "feriadas" físicas e/ou emocionais para toda a vida. Superar tais ferias tbm será uma luta possível, mas viver com sabedoria (buscando orientações e conselhos com pessoas mais sábias e de confiança) faz a vida ter um valor inestimável. Um abraco a todos lutadores desse espaço! continuo orando por vcs!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, sei que um relacionamento entre uma pessoa de 13 anos com uma de 25 é ilegal perante a lei, mas só os familiares e pessoas próximas sabem, e obviamente ninguém vai denunciar. Sobre o rapaz de 17 anos ser pai, não sei de fato o que aconteceu, mas acredito que a maioria tem acesso a "Internet" para buscar informações e evitar, e também tem os postos de saúde que oferecem camisinhas grátis, então acho que esse pessoal de 14 até uns 20 e poucos anos vão mais na afobação do momento ou não estão nem aí para os riscos. Foi o caso da minha mãe, transou com alguém, engravidou sem ter onde cair morta (sempre trabalhou como doméstica, e sem hipocrisia, uma pessoa que trabalha como doméstica não deve JAMAIS ter filhos, pois mal se sustenta, pior ainda tendo filhos) e agora estou pagando pelo erro dela morando mal, dentre outras coisas ruins. Acho que há certas coisas que devemos pensar antes de fazer independente da idade. Por exemplo, descobriu que a mulher te traiu com o vizinho e quer matar os dois, então você deve pensar: Se eu matá-los e depois me arrepender, nada irá trazer a vida deles de volta, por mais que estivessem errados. Então você apenas vá embora e esquece os dois. Sei que é difícil pensar quando estamos com raiva, mas tem que tentar para não fazer besteira! No caso da prevenção a gravidez é a mesma coisa, a pessoa deve pensar nos riscos e procurar se informar antes de transar, porque depois que engravidar, quem paga é a criança, pois o aborto é proibido, ainda mais se os pais não tiver uma vida financeira saudável para se sustentarem, ainda mais um filho ou mais. Valeu!

      Excluir
  23. é impossível parar de pensar em suicídio,é impossível nunca mais pensar em suicídio,uma vez que os pensamentos de suicídio entraram dentro de você,eles nunca mais saem,eu falo isso por experiência própria

    ResponderExcluir