quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Vale A Pena Viver?

Drauzio – Tive um paciente, um homem muito equilibrado, que depois de muitas crises de depressão entrou numa especialmente difícil, rebelde ao tratamento. Certa feita, ele me disse: Olhe, sei o que está acontecendo comigo. Estou num quadro depressivo. Já passei por isso outras vezes, mas este está especialmente difícil. Se for para viver assim, acho que não vale a pena. Para mim, o existir tornou-se insuportável.
Alexandrina Meleiro – Esse “existir não vale a pena” é um sintoma da depressão muito comum nas pessoas que atendo e eu procuro fazer uma aliança com elas. Peço-lhes um tempo para que possa reverter quimicamente o processo. Quando sentem que há esperança, que seu problema tem saída e solução, conseguem suportar essa fase terrível.
Com frequência encontramos pacientes com doenças graves, em situação difícil, dizendo que não vale a pena viver assim. Vale. Quando a depressão começa a melhorar com o tratamento e tiramos o véu que cobre seus olhos, a solução aparece. No filme Philadelfia, há uma cena que me marcou e que costumo contar para as pessoas. O protagonista é um paciente com Aids, na época em que esses doentes eram muito discriminados. Num dado momento, ele se olha no espelho e fala: Não há problema sem solução.
Isso é uma verdade profunda. A solução existe, embora às vezes não a enxerguemos. Pode não ser a solução ideal, perfeita, mas é a possível naquela hora. Se houver flexibilidade para aceitá-la como se apresenta, veremos que a vida sempre vale a pena.


Se você ou alguém que você conhece precisa de ajuda ligue para o número do CVV: 141 e procure ajuda especializada.




Um comentário:

  1. um filme é uma obra de ficção,o que está no filme é mentira,é claro que existe problema sem solução,se o meu braço é amputado,isso é um problema sem solução,o meu braço não vai crescer novamente para resolver o meu problema

    ResponderExcluir